Detail: The material essence of Liuba multifunctional service center
Zhao Yilong

Pormenores: A essência material do centro de serviço multifuncional Liuba

24 nov. 2023  •  Detalhe  •  By Gerard McGuickin

A Shulin Architects concluiu um centro de serviços multifuncional no condado de Liuba, no sudoeste da província de Shaanxi, na China. À entrada da área de montanha cénica de Liuba e das Montanhas Qinling, o centro de serviços oferece uma receção, casas de banho públicas e instalações comerciais. Com uma paleta de materiais de madeira quente, betão e pedra natural, a estrutura meticulosamente trabalhada oferece aos viajantes e aos habitantes locais um local para parar e descansar.

photo_credit Zhao Yilong
Zhao Yilong
photo_credit Zhao Yilong
Zhao Yilong
photo_credit Zhao Yilong
Zhao Yilong

Sediado na cidade de Zhuantang, Hangzhou, o Shulin Architects foi fundado em 2015 pelo arquiteto Chen Lin. Um pequeno estúdio de arquitetura, o gabinete coloca a ênfase na construção rural e na cultura tradicional, nos materiais e na natureza, no ambiente e nas pessoas, e na relação entre o antigo e o novo. O seu projeto de centro de serviços multifuncional é um exemplo da abordagem ponderada e criativa do estúdio ao design. Numa tentativa de manter a memória do local original, o centro de serviços reflecte a orientação e a sensação das estruturas anteriores. "O local original tem um espaço aberto relativamente grande e tinha dois edifícios de tijolo abandonados", diz Lin. "Decidimos conceber o centro de serviços de uma forma que se adaptasse às condições locais e maximizasse a utilização dos recursos."

photo_credit Shulin Architects
Shulin Architects

Vista aérea do local original:

photo_credit Shulin Architects
Shulin Architects

Vista aérea após a conclusão:

photo_credit Zhao Yilong
Zhao Yilong

 

Três telhados, uma treliça de telhado e várias paredes

Em 380 metros quadrados, o design do centro de serviços destaca-se pelos seus três telhados de uma só inclinação, de dimensões diferentes, com espaços funcionais - receção, área pública e casas de banho - distribuídos por baixo.

photo_credit Shulin Architects
Shulin Architects
photo_credit Wu Ang
Wu Ang
photo_credit Shulin Architects
Shulin Architects

Os telhados são suportados por uma treliça pré-fabricada de contraplacado construída a diferentes escalas, de acordo com as necessidades do espaço. "O design dos telhados foi derivado das estruturas de madeira tradicionais da arquitetura chinesa", explica Lin. "As estruturas de madeira tradicionais em Shaanxi são geralmente estruturas de estrutura simples feitas com pequenos pedaços de madeira, uma vez que a madeira de grandes dimensões era frequentemente reservada às famílias mais ricas. Por isso, decidimos utilizar peças mais pequenas de madeira laminada para mostrar a beleza das estruturas de madeira. Embora o método de construção e a lógica de design por detrás da madeira laminada sejam tipicamente ocidentais, o nosso objetivo foi infundir-lhe uma sensibilidade oriental, fazendo deliberadamente referência às dimensões tradicionais da construção em madeira. O resultado foi uma estrutura mais leve".

Teto da receção:

photo_credit Zhao Yilong
Zhao Yilong

Teto de espaço público aberto:

photo_credit Zhao Yilong
Zhao Yilong

Teto da casa de banho pública:

photo_credit Wu Ang
Wu Ang

Na perspetiva de Lin, "a lógica do design do centro de serviços é relativamente simples" - tem uma estrutura e telhados de madeira e paredes feitas de vários materiais distintos, incluindo betão, tijolo de vidro e pedra, que funcionam para dividir os aspectos funcionais do centro. "O betão é utilizado para as paredes longitudinais, o tijolo de vidro é utilizado para as paredes de curto vão e para as molduras das portas, e a pedra é utilizada numa parede diagonal dentro do edifício", explica Lin. A metade superior quente do centro de serviços, em madeira, contrasta com a metade inferior predominantemente cinzenta - até o tijolo de vidro está misturado com um pouco de cinzento. O contraste oferece uma combinação agradável de design atraente e utilitário, enfatizando as qualidades materiais do edifício.

photo_credit Wu Ang
Wu Ang
photo_credit Wu Ang
Wu Ang

 

Materiais e lógica espacial

Os Arquitectos Shulin conceberam uma lógica estrutural clara para o design do centro de serviços, com a plataforma, as paredes, a estrutura de madeira, as escadas e o telhado a fundirem-se como um corpo coerente. "Os materiais e a lógica espacial foram considerados simultaneamente desde o início, sendo os materiais uma consideração fundamental na fase inicial do projeto", afirma Lin. A maioria dos materiais é de origem local, mas Lin não descarta a utilização de materiais provenientes do estrangeiro: "Se todos os materiais tivessem de ser locais, tanto o processo de construção como o de conceção seriam muito limitados", afirma. "O abeto de Douglas e as telhas de cedro vermelho são importados do estrangeiro, a ardósia antiga (para o pavimento exterior) é de Zhejiang, a pedra de moinho de água (para os degraus) é local de Hanzhong e a pedra é de origem local."

photo_credit Zhao Yilong
Zhao Yilong
photo_credit Wu Ang
Wu Ang

 

Melhor do que o esperado?

As paredes de betão foram moldadas no local utilizando cofragens de bambu (criando acabamentos estriados e com uma textura bonita), mas Lin ficou inicialmente descontente com o resultado. "O betão moldado no local tem um elevado grau de incerteza - é um processo que só se realiza uma vez", afirma. "Embora os testes em pequena escala tenham produzido bons resultados, surgiram problemas quando se trabalhou em grandes áreas de paredes. Houve problemas de infiltrações nas aberturas das janelas, betumação inadequada nos parapeitos das janelas e muitas secções em falta ou desalinhadas. A própria cofragem de bambu não estava perfeitamente alinhada, fazendo com que o betão sobressaísse, assemelhando-se a arestas de dentes de serra. Para além disso, em muitas áreas houve explosões de cofragem, resultando em superfícies de parede irregulares. No entanto, a reformulação das áreas das paredes teria provocado atrasos no calendário de construção e conduzido a novos problemas. O remendo teria resultado em cores inconsistentes. Por conseguinte, as paredes permaneceram inalteradas". À medida que os trabalhos de construção foram avançando, com a adição da estrutura de madeira e dos telhados, dos vidros e da parede de escombros de alvenaria, "a sensação de aspereza do betão de cofragem de bambu tornou-se ainda melhor", diz Lin.

photo_credit Wu Ang
Wu Ang
photo_credit Zhao Yilong
Zhao Yilong

Lin refere outras ocasiões, durante o processo de construção, em que a realidade de trabalhar com certos materiais e pormenores se revelou por vezes diferente do esperado: "Inicialmente, planeámos utilizar blocos de pedra de formato mais regular, mas o seu custo elevado excedeu o orçamento. Como resultado, passámos a utilizar pedras brutas locais [o que, sem dúvida, confere ao centro de serviços um carácter mais tradicional e mais quente]. No plano inicial, desenhámos grades de bambu para os guarda-corpos, mas durante a construção optámos por grades de ferro mais leves que se misturam com o fundo cinzento - as condições no local diferem muitas vezes das impressões feitas pelas plantas e modelos e foram necessários ajustes rápidos durante o processo de construção para obter o melhor acabamento."

photo_credit Zhao Yilong
Zhao Yilong

 

"Construção real"

Para a Shulin Architects, o design e a construção do centro de serviços multifuncional foi um testemunho do conceito de "construção real" - uma "busca constante para a nossa empresa", diz Lin. "A ideia era apresentar e exprimir claramente, sem qualquer decoração, todo o processo de construção - pedras que se acumulam lentamente, paredes de betão moldadas no local, estruturas de madeira construídas no local, lajes de pedra antigas pavimentadas uma após outra e tijolos de vidro colocados um a um. Para mim, a maior conquista é dar uma expressão clara à arquitetura".

photo_credit Shulin Architects
Shulin Architects
photo_credit Shulin Architects
Shulin Architects

O projeto do centro de serviços apresenta uma parede oblíqua em alvenaria de pedra que se entrelaça entre os três telhados e se liga ao interior da receção. As colunas de madeira na área da receção encontram-se no interior da parede de betão armado, a uma distância de 400 milímetros do eixo da parede. Na casa de banho pública, a estrutura está separada da parede de betão e as colunas de madeira estão no exterior. A parede de betão e a estrutura de madeira no espaço público aberto estão ligadas no mesmo eixo. Para Lin, "estas relações trazem mais diversão ao espaço, explorando os elementos mais básicos do edifício e a lógica organizacional entre a estrutura e a parede". E continua: "Estes métodos de organização têm sido utilizados na construção residencial tradicional com relações claras em cada sistema."

photo_credit Zhao Yilong
Zhao Yilong
photo_credit Wu Ang
Wu Ang
photo_credit Zhao Yilong
Zhao Yilong

 

Inspirado nos jardins clássicos

O projeto de Lin para o centro de serviços foi inspirado nos Jardins Clássicos de Suzhou. "Os jardins clássicos tiveram um impacto profundo em mim", diz ele. "Encapsulam a essência da cultura tradicional chinesa. As culturas orientais tendem a ser subtis, preferindo criar intrigas, caminhos sinuosos e espaços escondidos. É frequente perdermo-nos ao explorar jardins, o que desperta um forte interesse pelo espaço - queremos naturalmente descobrir o nosso caminho favorito." Vários caminhos, declives e escadas dentro do edifício oferecem aos visitantes a oportunidade de explorar. Um caminho em particular leva o caminhante a uma plataforma suspensa, com vista para as montanhas Qinling.

photo_credit Zhao Yilong
Zhao Yilong
photo_credit Zhao Yilong
Zhao Yilong

 

"Diversão"

Para Lin, o seu design está imbuído de um sentido de "diversão", encontrado numa mistura de elementos materiais e subconscientes - a ideia de diversão, por exemplo, é algo que surge quando os requisitos funcionais de um espaço são cumpridos. "Embora a construção seja um processo preciso, deve haver momentos de descontração introduzidos durante a fase de conceção - trata-se de encontrar o equilíbrio certo e alcançar um resultado harmonioso", afirma. O design do centro de serviços oferece uma variedade de perspectivas através das suas paredes e telhados entrelaçados, colocação de portas e janelas e utilização de espaços públicos e caminhos. "A perceção sensorial é particularmente importante - dizemos frequentemente que algo não nos parece bem, mas qual é exatamente a sensação certa?" pergunta Lin. "Para mim, os materiais, a textura, a luz e a sombra são todos elementos cruciais que determinam se um edifício consegue cativar as pessoas. Durante o processo de conceção, examino repetidamente estes pormenores arquitectónicos, pesando os prós e os contras para alcançar o que considero ser o equilíbrio certo."

photo_credit Wu Ang
Wu Ang
photo_credit Wu Ang
Wu Ang

A atenção de Lin à materialidade e à perceção sensorial resultou num edifício que coloca elementos da cultura e tradição chinesas num enquadramento contemporâneo.